SAÚDE MENTAL E EMOCIONAL DE MULHERES: Uma questão de EMERGENCIA


Boa tarde! O assunto que vos trago aqui é EMERGENCIAL: SAÚDE MENTAL E EMOCIONAL DA POPULAÇÃO NEGRA. Não dá mais para passar pano e invisibiliar o que ocorre conosco.

"A carne mais barata do mercado
É a carne negra
Tá ligado que não é fácil, né, mano?
Se liga aí
A carne mais barata do mercado é a carne negra

Só-só cego não vê
Que vai de graça pro presídio
E para debaixo do plástico
E vai de graça pro subemprego
E pros hospitais psiquíatricos
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Dizem por aíx
Que fez e faz história
Segurando esse país no braço, meu irmão
O cabra que não se sente revoltado
Porque o revólver já está engatilhado
E o vingador eleito
Mas muito bem intencionado
E esse país vai deixando todo mundo preto
E o cabelo esticado
Mas mesmo assim ainda guarda o direito
De algum antepassado da cor
Brigar sutilmente por respeito
Brigar bravamente por respeito
Brigar por justiça e por respeito (Pode acreditar)
De algum antepassado da cor
Brigar, brigar, brigar, brigar, brigar..." Elza Soares

Sim, somos a carne mais barata e estragada do mercado, porque ainda não somos visibilizados, DE FATO, somo sujeitos de DIREITOS.
Porque afirmo isso? Você sabia que existe uma Política Nacional de Atenção Integral à População Negra? Talvez não. Assim como existe uma mesma política voltada `^a indígenas e outras minorias sociais como LGBTTQI+ e outros. Quantas são executadas e cumpridas na íntegra na ponta? Poucas? Nenhuma? ou Raras? Quer saber mais? Liguei para Secretaria de Saúde do seu município e procure saber quais ações dentro da política, na PRÁTICA, que acontecem? Raras ou nenhuma?
Quremos privilégios: NÃO. Queremos IGUALDADE DE DIREITOS, pois a Constituição Federal/88 fala sobre direitos à igualdade assim como o próprio Sistema Único de Saúde. O que ainda vimos e assistimos subjetivamente, ainda é a pratica manicomial, isto é: não está bem? Intterna e deixa pra lá até morrer. É assim que somos vistos e lidos pela maioria dos gestores de saúde e Assistência do nosso município.
Culpa deles? Sim; mas RESPONSABILIDADE MAIOR NOSSA QUE VOTA E NÃO EXIGE A EXECUÇÃO NA PRÁTICA DOS NOSSOS DIREITOS.
O que precisamos é sermos RESPEITADOS. Não sabem como? Segue alguns exemplos:
1) NEGA MALUCA - de onde surgiu isso que é fantasia de carnaval? O estereótipo que toda mulher negra é maluca, que não inspira confiança, que não é capaz, que só serve para servir e para isso vira chacota e fantasia de carnaval. Se a questão chega no lúdico, imagine na vida real?
2) NEGAR O RACISMO ESTRUTURAL - Só racistas declarados que negam sua condição que afirmam que no Brasil não existe racismo. Em prática, o RACISMO é um processo de aniquilação do indivíduo preto e pardo, reduzindo sua condição de existência humana, fazendo-o, através da opressão, sentir-se inferior, menor, menos capaz, menos qualificados, quando somos maiores e melhores que muitos não negros. Porém, o estigma da cor e da origem nos perseguem.
3) VIOLÊNCIA OBSTETRPICIA: Quem nunca ouviu o mito de que "mulheres pretas são mais fortes!" "Elas suportam a dor" e muitas de nós adoecemos e morremos porque criaram um mito de que não somos humanos e sim objetios e suportamos com total resiliência todo disparate de dor e sofrimento no parto. Qual mulher não ouviu na hora de parir as seguintes frases:  Você é forte! ou " Na hora de transar não pensou nisso" e por aí passamos pelos desatinos da desumanidade que o sistema nos oferece;
Tem mais....

4) Quemé preto e favelado, em 90% dos casos, sabe que é SUJEITO SUSPEITO É PRETO, seja pela cor ou pelo lugar que mora, e este estereótipo é retroalimentado seja pela polícia ou pela sociedade civil que insiste em nos penalizar achando que todo pretx pobre é bandido ou apto à servir à preço zero, já que fazemos qualquer coisa por um prato de comida, roupas velhas ou mesmo uma garrafa de cachaça.

5) A hipersexualização dos corpos negros - Quem nunca se viu uma mulher preta, menos retinta, com corpo escultural que rapidamente atribuiu a "mulata" da escola de samba ou aquela que está apta á dispor do seu corpo por sexo barato e desprotegido. Quem nunca?
Essa menos valia da nossa existência nos adoece.

Posso citar mais:
Altas taxas de feminicídio, altas taxas, baixíssima empregabilidade nos cargos de relevância (àquelas que conseguiram obstruir os obstáculos do racismo, estudaram e estam aptas a ocuparem um cargo de relevância). Do número de jovens de 15 a 24 anos assinados em mortes violentas?

Entre outras que posso colocar minha vida em risco or citar. Precisamos despertar e EXIGIR NOSSOS DIREITOS COMO PESSOAS, SUJEITOS, CIDADÃOS E NÃO NOS OMITIRMOS MAIS AO DESCASO DO ESTADO.
Educação, Saúde e Seguridade são direitos nossos e não devem ser vistos e pensados pela janela de pesquisadores que estão no ar condicionado dos seus laboratórios. Precisamos ter vez, voz e falarmos sobre nossos dilemas, nossas dificuldades e sermos respeitados por isso.

 Desta forma, conclamos a todos os irmãos negros e não negros, que identirica que a questão negra é emergente neste ponto e formamos um coletivos de apoio mútuo aos que precisam de ajuda, dentro de nossas limitações e dentro do que as atuais políticas sociais oferecem.

 Meu post não tem o intuut de passar pano, mas precisamos de escuta ativa, apoio para nos enxergarmos como indivíduos, capacitação e qualificação para adentrar ao mundo do trabalho e claro como todo direito gera deveres e obrigações, nos comprometermos com nossas pautas e necessidades.

 Este é o desabafo de hoje. Espero ser bem commpreendida em minha fala.

Me coloco a disposição como pessoa humana, mulher nengra, ativista, militante e Assistente Social no email crilourah@gmail.com

beijos e até o próximo post. 
Pin It

Nenhum comentário:

Postar um comentário