1 2 3

#Indignada: Racismo ainda existe? Tem certeza?


Tudo aquilo que a sociedade, de um modo geral, tenta desvalorizar, desconstruir e tratar com naturalidade, saiba que tem valores reais e simbólicos envolvidos nisso. O Racismo é um deles.

Por mais que se tente negar que ele não existe no Brasil, isso é a mais pura mentira. Quem é negro, indígena, nordestino, judeu e outros grupos sociais é que sabemos dizer o que tem ou não neste país.

Para quem não sabe o Racismo nada mais é do que a atitude ou o pensamento, de uma pessoa ou de um grupo, se considerando maior e melhor que outros grupos. Estes tipos de ações se apresentam de forma objetiva e subjetiva e, aos olhos de quem enxerga, é nítido perceber como seus efeitos são nefastos, seja imediato ou posterior ao ato.


“Gente assim não pode trabalhar aqui”, reclamou a madame!


Oi? Que tipo de gente esta fala se endereça? No contexto do ocorrido em 13/05, no Rio de Janeiro, bairro da Zona Sul carioca, foi o que uma madame disse à alguém a acionou a polícia como forma de destilar sua raiva e seu veneno por, segundo ela, ter sido destratada por uma funcionária na padaria.


Esta é parte de uma cena ocorrida na padaria na Rua Joana Angélica, onde uma "madame" acionou a polícia, alegando que foi destratada pro uma funcionária que a respondeu mal quando questionou o preço do café, que custa R$ 3,00 e também que a padaria só vendia café normal e não expresso.

Por motivo banal e torpe, aciona-se a polícia e o mais interessante é que a mesma foi prestativa e imediata. Penso em quão rápida a instituição é também nos casos mais graves, dentro e fora do circuito zona sul, onde envolvem, negligência, abandono, maus-tratos, violência e homicídios de pessoas entre outros.

Curiosos é como os desentendimentos no campo comercial tomam uma proporção tão absurda que a coisa já se torna pessoal. Na boa, no caso desta funcionária, havia necessidade de acionar a polícia? Será que reclamando da postura da funcionária com o gerente ou proprietário não seriam suficientes?

O que mais me impressionou foi a atitude do policial que, tratou a funcionária como se ela fosse qualquer coisa e a levou algemada para delegacia. Eu e nem ninguém acompanhamos mais o caso, mas cadê a madame que abriu a queixa? Será que a mesma foi a delegacia sustentar suas acusações contra esta mulher frente a frente?

Não sou boa em Direito, mas cadê o princípio de ampla defesa? Não coube neste caso?

Mais do que a incoerência institucional, o mais preocupante é perceber que haviam pessoas no recinto, assistindo a tudo e ninguém  pouquíssimos tomaram a defesa da funcionária.

A atriz Aparecida Petrowsky estava na padaria e gravou imagens do ocorrido, que você confere aqui

Aí fica a pergunta: o que, realmente, legitimou o desdobramento deste caso ao ponto que chegou? Conscidência? Justiça? ou Racismo/Preconceito/Discriminação/Intolerância?

Esperamos por dias melhores, mais justos onde possamos olhar a cada um de nós e nos vermos como semelhantes e não como diferentes.

Beijos e até o próximo post.






1 Crilouras Comentaram:

Vivix disse...

Também negro, o capitão do mato serve a sua sinhá com grande obediência. Não sei quem é o pior ali.

Postar um comentário