Saiba seus direitos no serviço de SALÕES DE Beleza


E aí, pérolas! Tudo bem com vocês?

O post de hoje é dedicado a responder algumas dúvidas que vocês me encaminham sobre como saber seus direitos quando ir a um salão de cabelereiro e o que fazer para se defender de falhas/erros dos profissionais.

Primeiramente, me respondam uma pergunta:



O que vocês fariam se fossem a um cabelereiro(a) e este (a) detonassem com seus cabelos???

Pois é, nesta hora a gente fica até sem palavras para responder, porque nos sobe uma ânsia, que é misto de raiva, angústia ou sei lá o quê.

Para evitar que isso aconteça, é possível tomar algumas cautelas, para evitar não só o prejuízo financeiro, mas principalmente o dano à moral e a auto estima da pessoa, isto é, do cliente.

O que é um salão de beleza/estética/cabelereiro?

O salão de beleza é um serviço comercial, dotado de natureza jurídica inscrita no ordenamento do direito brasileiro através do Direito Comercial. Portanto, quem abrir este negócio, tem uma série de deveres e obrigações à cumprir com o Estado (principalmente no que tange à legalização). Embora comercial, ela também tem direitos, deveres e obrigações inscritos no Código Civil, no Código de Defesa do Consumidor e com a Agência de Vigilância Sanitária (ainda conhecida como Saúde Pública).

Qual a função de um salão de beleza/estética/cabelereiro?

Quem abre um salão de beleza/estética/cabeleiro abre um negócio financeiro, com o objetivo de prestar serviços neste nicho, dirigidos à estética capilar, higiene, embelezamento de pés e mãos, maquiagem entre outros, oferecendo desempenho profissional de qualidade, com o fim de promover resultados, que alcancem à expectativa do cliente. Em outras palavras, um leigo não pode assumir, num salão, a função que exige qualificação/capacitação profissional, que se faz através de cursos profissionalizantes, superior e ou técnico.

Sabendo um pouco mais do envolve, juridicamente, a abertura de um salão de beleza/estética/cabelereiros, é importante observar determinados detalhes antes de fechar um serviço. Entre eles:

Há quanto tempo esta empresa fornece este tipo de negócio?

Muitas vezes, o tempo em que um negócio está aberto, isto é, sua referência,  fala muito sobre a qualidade (ou não) dos serviços prestados pelos profissionais.

O que dizem deste negócio?

Observar como os clientes estão se sentindo, isto é, se eles estão satisfeitos com os resultados dos serviços prestados. Em outras palavras, se o que eles querem como resultados estão sendo cumpridos pelo profissional.

Como é a apresentação dos profissionais deste salão?

Muitas vezes a imagem é o cartão de visitas mais (ou menos) positivo para os clientes. Observar como os profissionais se comportam, se vestem (isto é, se usam uniformes limpos), a forma de tratamento entre si e com o cliente (educação, respeito é ética são importantíssimos) e também a apresentação dos seus cabelos são fundamentais. Além disso observar os produtos que são usados e se a tabela com preços está em local visível e claramente detalhada.

Obs: Caso vá fazer um procedimento químico, é direito do cliente saber o "princípio ativo" que está sendo usado em seu cabelo. O profissional pode, por direito dele, negar a informar o nome da "marca", mas o princípio ativo que está sendo feito, é obrigação dele informar.

Os profissionais estão qualificados/capacitados para realizar o que você deseja? 

Na minha opinião, este é um dos pontos mais fundamentais: saber se o profissional tem ou não condições de fazer o que o cliente está pedindo. Esta realidade precisa ser bem observada, principalmente, para quem tem cabelo afro, crespo e cacheado que, chega em um salão em busca de uma solução para definir mais os cachos ou mesmo para reduzir o volume e acabam saindo com os cabelos alisados ou danificados do salão.

Ser honesta consigo mesma e com o profissional (e vice-versa).

Acredito que isso aí nenhum profissional poderá fazer por ti, nega. Há coisas que muitas vezes desejamos, mas que não são possíveis de serem alcançadas. Neste caso, uma conversa aberta e sincera com o profissional, informando claramente, o que foi feito em seu cabelo ao longo do tempo, o que você deseja como resultado e se é possível ele realizar é a chave de ouro para evitar aborrecimentos de ambas as partes.

 Caso decida fazer o serviço, como precaução, é importante tirar fotos do antes e depois e também solicitar nota fiscal ou qualquer documento fiscal que comprove a realização do serviço. Isso protege você e o profissional também de eventuais contratempos. 

O que fazer em caso de dano?

Este é o ponto alto deste post. A primeira coisa é manter a calma e a coerência. Fazer "barraco", muitas vezes, não ajudar. A segunda é retomar o que foi conversado no salão -  O que você pediu e o que o profissional se propôs a fazer e se houve acordo/concessão de ambas as partes. Se isso não tiver acontecido, a primeira providência a fazer é:

- Retornar ao salão com cópia da nota fiscal e cópia das fotos e procurar a gerência. Ele é o profissional habilitado em resolver e mediar situações como esta. É importante colocar para ele o que foi solicitado e o que foi feito. Uma vez comprovado o dano, tente um acordo (de preferência escrito e assinado por ambas as partes) para reparar o ocorrido. Caso não seja possível o acordo, o caminho precisa ser feito através do Judiciário. 

Para isso é necessário procurar um advogado ou núcleo de Defesa do Consumidor de sua cidade, portanto seus documentos pessoais, comprovante de residência e as provas como notas fiscais, fotos e etc para dar entrada, pela Justiça, com o objetivo de, não só reparar o dano causado à você, como também, prestar satisfação ao judiciário, caso haja irregularidades na empresa.

Segundo o Código de Defesa do Consumidor, em ser artigo 14:

"Estabelece que o fornecedor de serviços responde, independente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços."

Em outras palavras, o fornecedor ( que é o salão) está obrigado à reparar o dano causado, tendo ele culpa ou não do ocorrido, uma vez que a imprudência, imperícia ou negligência, poderiam ter sido evitadas se o profissional estivesse atento ao protocolo do seu trabalho. Isso, no direito, está ligado à Responsabilidade Civil Objetiva. 

Um outro ponto para se compreender esta relação é o seguinte: Independente dos meios, uma vez contratado o serviço, o fornecedor se obriga à cumprir com prazos e resultados. Em outras palavras, se você for a um salão e pedir, por exemplo, um alisamento perfeito dos seus cabelos, o profissional precisa te orientar e esclarecer quais são os limites e possibilidades para este resultado, independente da forma como ele usará para chegar a este objetivo. 

Em geral, quando ações deste porte acontecem, muitos entram com recurso tentando culpabilizar o cliente, para se defender, alegando até que o mesmo não foi orientado a fazer ou não fazer. Em geral, a decisão costuma ser em favor do cliente, devido a conduta que o estabelecimento deveria adotar e não foi realizado.


Bem, espero que este post possa auxiliar vocês na escolha dos profissionais e serviços.

 Beijos e até o próximo post.



Pin It

12 comentários:

  1. Como sempre, vc com ótimas dicas. Amo seu videos!!!! Se puder me segue tbm para trocarmos experiências. Super bjo e fica com Deus

    ResponderExcluir
  2. Valeu pelas dicas ,muito interessante,sabendo dessas e outras coisas podemos evitar transtornos em nossas vidas,muito bom

    ResponderExcluir
  3. ai fer, q post maravilhoso. pena q se passou 3 anos q meu cabelo caiu e quebrou por causa de uma quimica mal feita e gastei mais de 1500 em um ano pro meu cabelo voltar ao normal. se eu soubesse de tudo isso, teria processado o salao. beijos da aline jansen

    ResponderExcluir
  4. Feh, qual Instituto do BN você frequenta?

    ResponderExcluir
  5. Cantinho da Drika,

    Muito obrigada querida. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Aline Jansen,

    Pois é, amada. Sugiro que procure por um advogado, mas acredito que o prazo para recorrer à Justiça pelo reparo do dano já prescreveu.

    Agora ciente, fique de olho nos maus profissionais para não cair em outra cilada.

    Beihjs e boa sorte

    ResponderExcluir
  7. Ola Fe td blz?

    Quando eu tinha 13 anos, minha mae resolveu pagar um relaxamento no meu cabelo. Sempre sofri com o excesso de volume e so ia pra escola de tranca ou rabo de cavalo. So sei que na epoca, o relaxamento custava 20 reais em um pequeno salao perto de casa, meus cabelos eram virgens. Nos primeiros dias apos o relaxamento o cabelo tava ok, porem uns tempos depois comecou a cair da raiz, fiquei cheia de falhas na cabeca. So sei, que fiquei mais de 1 ano tentando acabar com a queda. Minha mae n processou o salao talvez por n saber que isso poderia ser possivel,depois disso peguei pavor de relaxamento. Mto informativo o seu post, mtas de nos passamos por situacoes parecidas e nao sabemos o que fazer. Vc como sempre de parabenssssss. Bjs

    ResponderExcluir
  8. Ola Fernandah

    Eu te acompanho já há algum tempo! Adorei seu blog novo, gostaria que você me passasse o contato da pessoa que fez para eu também mudar o meu. Pode ser?

    ResponderExcluir
  9. E qdo VC informa a cliente sobre o que pode ocorrer faz teste de mechas mostra a sensibilidade do cabelo e mesmo assim a cliente te autoriza a fazer consciente de como iria ficar e que seria necessário um tratamento depois pq ela deseja sair do preto pro ruivo e VC explica tudo e mesmo depois de ter realizado o procedimento ela pede o estorno do dinheiro gasto e te expõe em rede social sabendo ela que tudo foi feito com clareza de detalhes...

    ResponderExcluir
  10. a senhora cabeleireira ai de cima se sabia que o cabelo iria quebrar porque fez o serviço, era so se recusar

    ResponderExcluir