Dia Internacional Contra a Discriminação Racial


Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? O post de hoje é para falarmos um pouco mais sobre uma data memorável no Brasil e no mundo que é o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial. O que nós temos a ver com isso? Muita coisa, pois vivemos em um país que apregoa uma certa democracia racial, mas que no fundo (se olharmos com uma lente bem de pertinho) veremos que, na verdade, vivemos um mito sobre esta democracia racial.

É ótimo falar sobre beleza, sobre cuidados com cabelos, maquiagens entre outros, mas penso ser fundamental fazermos uma reflexão sobre à nossa realidade e os problemas e dificuldades que enfrentamos para superá-las. Inclusive, esta discussão nos ajuda a pensar nos aspectos cosméticos e estéticos, que impedem que as empresas brasileiras entre outras, desenvolvam produtos de acordo com nossa necessidade e especificidade. Falar de beleza, na minha opinião, é e está acima de tudo, falarmos e refletirmos sobre uma relação de direito de igual para igual. Vocês tem opinião formaa sobre este assunto?


Quando me refiro a idéia de mito de democracia racial, quero dizer sobre as "máscaras" que ainda nos impedem de sermos tratados de forma igualitária. Isso não é uma apologia da minha parte e nem tampouco uma discussão "piegas" com a tentativa de atrair o olhar generoso ou odioso dos demais, mas minha sugestão é que você possa ver os números liberados pelo IBGE por exemplo, no que tange aos dados demográficos da população negra no Brasil e às condições de vida, nos aspectos socioeconômicos em que nos encontramos. Por quê será que, mesmo após 124 anos que nos separa da abolição à "plena democracia" que vivemos, temos tantas desigualdades?

Estas desigualdades são visíveis nas capas de revistas, nas colunas sociais, nos desfiles de moda, no desenvolvimento de produtos cosméticos para pele negra, na ascenção social entre outros critérios à qual ainda estamos excluídos. Acredito que é por isso que precisamos nos posicionar e, mostrar a estas esferas que capacidade e competência não vem da cor da pele e sim através do que a pessoa tem à oferecer.

E você homem e  mulher? Sabe o que é a discriminação racial? Sabe o que é o Racismo e/ou mesmo o  Preconceito? Sabem como se defender deste tipo de prática? Podemos não querer falar sobre o assunto e nem pensar nesta realidade, mas sabemos no fundo que a abolição que não nos alforriou da escravidão, não nos alforriou do preconceito e nem da discriminação e mesmo com o advento das leis que tendem à afirmar que somos iguais, na prática sabemos e sentimos, que há uma certa diferença no tratamento e na condução de quem é negro e quem é branco no país.

Desta forma, acredito piamente que precisamos nos mobilizar através de praticas educativas dentro e fora da nossa casa para fortalecermos, de fato e verdade, que podemos ser diferentes sim, mas somos todos iguais e que as oportunidades precisam ser igualitárias também e denunciarmos práticas de racismo e preconceito, seja de que grupo for.


Beleza é igualdade de oportunidades.

 Beijos e até o próximo post.
Pin It

7 comentários:

  1. Ainda vai chegar o dia em que as pessoas vão se conscientizar de que a unica coisa em que somos diferentes é a nossa impressão digital...É triste mas é necessário lutarmos contra todo tipo de discriminação racial...

    ResponderExcluir
  2. Amei o post, mas acho que devemos destacar também que precisamos acreditar em nós mesmos e aí sim ir à luta. Digo isso porque vejo muitos negros cheios de sonhos que nem mesmo tentam realizá-los, sob a desculpa de que "tudo para o negro é mais difícil" - conheço alguns exemplos disso. Difícil é perder a guerra sem ao menos ter lutado!
    Vamos acreditar em nós mesmos, vamos acreditar em nosso potencial, vamos acreditar nessa igualdade que pregamos!
    Beijos, linda, parabéns novamente pelo blog!

    ResponderExcluir
  3. adorei o texto, concordo com tudo.

    http://anitamakingof.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Rejane,

    Com certeza, Rejane. Enquanto isso, acredito que se a cada dia fizermos nosso papel, isso se reduzirá. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Michele,

    Com certeza, amiga. Quando me refiro as práticas educativas, quis dizer implicitamente isso também. Ninguém pode ser um educador, sem que seja um educando primeiro. Já diz o nosso mestre Paulo Freire.

    Ir em busca de sonhos e ter que se deparar também com a frustração de não realizá-los é doloroso e muitos preferem nem tentar do que experimentar o dissabor da dor da não conquista.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Concordo em número,gênero e grau.Percebi isso muito cedo,já que,(os patrões de minha mãe pagavam meu colégio),sempre estudei em colégios pagos.Isso nos anos 70 era um abuso,mas eu já vim para causar,nunca me intimidei,tiveram que me engolir.Era um tempo em que se dizia que negro não aprendia nada, muitos acreditaram, perderam para o sistema.Não tem muito tempo uma atriz negra global,foi humilhada num restaurante em Copacabana, o que ela fez? Chorou, pode? Cri,bjs sucesso!

    ResponderExcluir